Volte ao SPIN

SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Experiência de morte no Teatro

No momento me lembrei de uma experiência antiga

Foi quando eu estava na platéia do Teatro Goiânia
No palco a spin cantora Marivone Caetano cantava Caro Nome, de Verdi
Ela usava um belo vestido negro, colocou a mão sobre o joelho e um pouco derreada e olhando para o céu cantou
Neste momento adormeci
Durante o sonho, a cantora atuava no palco
Sento Una Forza Indomita foi outra música cantada
Durante o sono vi-me no mato, em frente a uma casa de palha
Aroxima-se uma ave negra, a inhauma ou inhuma
A ave se aproximou como se fosse aliada
A ave começou a enfiar as penas do seu rabo no meu coração
Dor
Comecei a morrer
Morri
Inexisti
Fui salvo pelas palmas dos presentes
Era o povo aplaudindo Marivone Caetano
Durante a minha morte, quanto mais palmas mais as penas entravam no meu coração
Foi quando vi que o momento da morte é um momento de silêncio
( ) Sem palmas
Devido as penas, o meu coração foi parando.
Esquecimento total.
Inexistência.
Morri.
O eco me matou
Silêncio!
Silêncio na hora da morte
Que morramos sem palmas ou lanças por perto
.